Ana Carolina Lourenço: “A escola foi uma das melhores partes da minha vida”

Ana Carolina Roma Lourenço

Ana Carolina Lourenço foi do Ensino Fundamental I ao Ensino Médio na Coopec. “A escola foi uma das melhores partes da minha vida. Foi onde tive as primeiras amizades e até mesmo as primeiras paixões”.

Mas, falando de matéria escolar, as preferidas da Ana eram biologia e matemática. “Não me esqueço de alguns professores, como o Plinio, o Waldemar e o Renan”, destaca a egressa, que cita o clima de amizade e companheirismo que havia na Coopec: “Como sempre fui uma das únicas crianças da minha família, foi na escola que aprendi a compartilhar minhas coisas e a me relacionar com as pessoas da minha idade. Tudo que aprendi na Coopec tem sido útil até hoje na minha vida pessoal e profissional”.

E mesmo com o tempo, a ex-aluna conta que algumas das amizades da época de escola permanecem até hoje. “Sempre encontro um casal de amigos que começaram a namorar no colegial e estão juntos até hoje. Também converso com muitos amigos e professores pelas mídias sociais”.

Atualmente Ana Carolina é formada em enfermagem pela Famerp e trabalha na Unidade Básica de Saúde da Prefeitura Municipal de São José do Rio Preto.

Yasmim Filiage: “Eu e meus irmãos crescemos na Coopec e, por isso, consideramos os funcionários e os professores como parte da nossa família”

Yasmim Damasceno Filiage

Família – essa é a palavra que descreve a Coopec para Yasmim Filiage,ex-aluna que, hoje, só tem boas lembranças dos 12 anos que estudou no colégio. “Aprendi muito na Coopec e hoje posso dizer que sou o que sou porque os professores me ensinaram muito mais do que o conteúdo das matérias”, afirma Yasmim. “Eu e meus irmãos crescemos na Coopec e, por isso, consideramos os funcionários e os professores como parte da nossa família”.

Relembrando da ótima relação que tinha com os professores, funcionários e colegas, a ex-aluna conta um hábito inusitado: “Eu fugia da aula de Educação Física pra ficar conversando com os professores e os funcionários. Hoje, sei que não deveria ter feito isso, mas era muito bom passar tempo com eles”.

E mesmo com o tempo e a distância, Yasmim mantém contato com o pessoal da época escolar. “Tento sempre manter o contato com alguns professores, porque tenho um grande carinho por eles. Sem contar as melhores amigas, que foram minhas companheiras por longos anos”.

Atualmente, a ex-aluna está cursando o 4º ano de faculdade no curso de Ciências Econômicas na Unesp, em Araraquara (SP).

Carolina Lopes: “a Coopec sempre foi a minha segunda casa”

Carolina LopesQuando um lugar oferece boas experiências e um ambiente bastante receptivo, é impossível não chamá-lo de “nossa segunda casa”. E para muitos alunos da Coopec, a escola é assim, um lugar maravilhoso e que marca profundamente suas vidas. Este é o caso da egressa Carolina Lopes, que além de aprender muito, sempre se divertiu rodeada de amigos e bons professores: “A Coopec sempre foi a minha segunda casa. Era um lugar onde eu sempre me senti muito confortável, segura e rodeada de pessoas boas”.

A ex-aluna ingressou na Coopec em 1995, com apenas três anos, e permaneceu até o ensino médio, em 2007. Entre as matérias preferidas da ex-aluna, estão geografia, história, português e educação artística, além das aulas de educação física. “Eu contava os minutos para as aulas de educação física e é dessa atividade que eu mais sinto mais falta hoje em dia”.

Passado os anos da escola, Carolina hoje é formada em Comunicação Social pela ESPM e mora em Vancouver, no Canadá. E mesmo com o tempo e a distância, a egressa mantém o contato com os professores por meio da Internet e conversa diariamente com algumas amigas. “Foi na Coopec que eu conheci as minhas melhores amigas, que eu considero como se fossem da minha família”, relata Carolina. “Sempre que possível, marcamos encontros em Rio Preto e adoramos participar das Festas Juninas da Coopec, que é a melhor festa junina de todas as escolas!”.

Pedro Tolentino: “tenho muitas histórias para contar, porque eu adorava frequentar a Coopec”

Pedro TolentinoA história de Pedro Tolentino na Coopec começou na pré-escola, e foi até o ensino médio. O egresso conta que a escola foi uma época maravilhosa de sua vida. “Tenho muitas histórias para contar, porque eu adorava frequentar a Coopec e sabia que meus dias não seriam chatos e nem entediantes. Os colegas de sala e professores tornavam minhas manhãs ainda mais interativas e alegres”.

Há tempo, o egresso não visita a escola, mas sabe que a essência da escola continua a mesma, já que sua irmã Maria Eduarda está no 1º Ano do ensino médio na Coopec. “O mais bacana é que o colégio segue cultivando a cooperação e amizade entre seus alunos, além da educação de qualidade e do ‘ensino para a vida’”.

E mesmo com a distância e o tempo, a amizade com os colegas permanece. “Tenho contato com a maioria dos colegas de sala de aula. Já os professores eu me lembro de cada um como se fosse hoje, pois adorava as aulas”.

Atualmente Pedro é formado em administração com ênfase em comércio exterior pela Makenzie.

Jucila Borduqui: “estudar na Coopec foi uma época especial, tenho ótimas recordações…”

Lucila BorduquiJucila Borduqui ingressou na Coopec em 1992, mesmo ano em que a escola foi fundada e cursou a 7ª série do Ensino Fundamental II até se formar no 3º ano do Ensino Médio. Agora, a egressa traz consigo boas lembranças: “Estudar na Coopec foi especial. Tenho ótimas recordações, além dos melhores amigos e dos melhores professores. Foi a melhor época de escola”.

Para Jucila, frequentar a Coopec era muito divertido e prazeroso. “Estudar lá sempre foi diferente das outras escolas, porque tínhamos muitos eventos, como o Show de Talentos, excursões, festas e Feiras de Ciências, além das aulas práticas de laboratório. Como ficávamos o dia todo na escola, a nossa interação era muito boa!”.

E apesar do tempo, a egressa ainda mantém o contato com algumas pessoas da época de Coopec. “Infelizmente é difícil ver o pessoal, mas com as mídias sociais ficou mais fácil manter o contato com os colegas de sala e até mesmo com os professores da época”.

Atualmente, Jucila é psicóloga e trabalha como analista de gestão de pessoas.

 

Lyna Saidah Tafari: “estudar na Coopec foi um período muito bom”

Lyna Saidah TafariLyna Saidah Tafari ingressou na Coopec em 1993 para cursar a 7ª série, e permaneceu até o 3º ano do Ensino Médio. A egressa conta que a época que frequentou a escola foi tão boa, que tem saudade do Colégio e dos anos maravilhosos que viveu lá. “Estudar na Coopec foi um período muito bom, pois fiz muitos amigos, recebi grandes aprendizados, conheci excelentes professores e convivi em um ambiente receptivo e alegre. Foi uma época muito feliz!”.

E mesmo que a época escolar tenha passado há alguns anos, Lyna mantém até hoje a amizade com colegas de sala. “A época no colégio me proporcionou os meus melhores amigos, que até hoje são os da Coopec”.

Atualmente, a egressa mora em São Paulo (SP) e trabalha como fonoaudióloga.

Marina Carneiro da Costa: “a escola fez parte de toda minha infância e adolescência”

Marina Carneiro da CostaMarina Carneiro da Costa, que estudou na Coopec de 1993 a 2004, lembra bem a sua época na escola. De acordo com a egressa, a Coopec foi muito importante para a formação de sua personalidade: “A escola fez parte de toda minha infância e adolescência”, reconhece a ex-aluna. “Quando recordo, a sensação é de nostalgia e de saudade. Foi uma época muito boa, conheci pessoas maravilhosas, tanto alunos quanto professores”.

As disciplinas de que ela mais gostava eram as relacionadas com as ciências exatas e biológicas, tanto que Marina se formou na área. “Graças à Coopec, passei em segundo lugar no vestibular para o curso de Ecologia da Unesp de Rio Claro. Atualmente, sou ecóloga formada e fiz mestrado em ecologia”.

Marina não mora mais em Rio Preto, mas, mesmo com a distância, seus melhores amigos são os dos tempos de Coopec e, por isso, ela mantém contato com os professores por meio das mídias sociais. Mas se a tecnologia dá uma enorme ajuda às amizades, o desejo de retornar pessoalmente ao colégio também é grande: “Com o objetivo maior de ‘educar para a vida’, a Coopec sempre foi um local onde a ética é mais importante. Espero fazer uma visita em breve à escola para matar a saudade”.